Você sabia que viver com o bicho sempre no colo e mimá-lo como um bebê é péssimo para a saúde psicológica dele? O animal desenvolve dependência do dono e sofre uma angústia profunda sempre que se separa dele.

Quem passa o dia inteiro fora e, à noite, decide compensar dando atenção exclusiva, também erra: isso faz com que sua chegada fique supervalorizada, levando o bicho, muitas vezes, a passar o resto do dia plantado na porta esperando - o que, convenhamos, não é vida.

Se você gosta realmente de seu amigo, precisa ensiná-lo a ficar feliz também sozinho. Uma das melhores formas é dar-lhe o direito de viver com um companheiro da mesma espécie, criando dois animais. Outra é acostumá-lo gradativamente a ser mais independente e fazer com que ele associe sua ausência com algo prazeroso, como uma caixa de brinquedos que o bicho acessa somente quando fica só. Se ele chora e late do minuto que você sai de casa até a sua volta do trabalho. Os vizinhos já começaram a reclamar e você até cogitou a possibilidade de levar seu cachorro para adoção. Afinal, ele não merece ficar sozinho o dia inteiro.
Calma, você não é a primeira e tão pouco a única pessoa a passar por essa situação.

Muitas vezes, cães latem porque se sentem abandonados. O dono deixa o bicho sozinho quando vai trabalhar, em um local não apropriado, onde não vê ninguém e somente escuta outras pessoas falando. Às vezes ele precisa de companhia de outro cão, brinquedos para se distrair, mais espaço, uma caixa para ele se sentir mais aconchegado, como em um toca. Costumo dizer que dois cachorros dão menos trabalho que um  porque vários problemas emocionais e até de saúde são evitados quando o cão tem a companhia de outro animal.

Além disso, há algumas raças que são mais carentes, como os Beagles e os Cockers, por exemplo. Em contrapartida, há aqueles que são considerados mais independentes, como o Schnauzer, que suportam a ausência do dono e tem um maior equilibrio emocional. Mas lembre-se: até mesmo em cães da mesma raça existe variação de personalidade, ou seja, alguns podem ser mais carentes que outros.

O ideal é dar o máximo de qualidade possível com seu amigão no tempo que puderem passar juntos!

10 Dicas Educacionais

  É muito comum que donos de cães acreditem que se dedicarem carinho e cuidados básicos ao animal, tudo vai ficar bem e o cachorro será feliz e educado. Infelizmente não é tão simples assim.

Em princípio você pode pensar que educar um cão seja uma tarefa árdua e complicada. Muitos também pensam dessa forma. Alguns cuidados são necessários para ter você tenha um cão com um comportamento equilibrado. O dono deve estabelecer uma relação de respeito e confiança com o animal.
Por mais difícil que seja, tudo começa a partir do tipo da relação que você terá com o seu cachorro. Dar carinhos e mimos em excesso é algo que nos faz bem (realmente é prazeroso). No entanto, sem uma educação adequada, com o tempo, acredite, problemas e incômodos irão surgir. Para evitar qualquer dificuldade na relação entre você e o seu cão, você pode seguir 10 dicas simples que irão auxiliar você nessa caminhada.
1  Eduque e estabeleça regras desde cedo ao seu cão. Independente da idade, todos irão aprender qual é o próprio limite, o importante é começar assim que chegar no lar onde irá viver por toda a vida. É claro que cães mais velhos exigem mais dedicação, pois possuem alguns hábitos já definidos e precisam deixar de fazê-los.

2  Uma educação firme não quer dizer que tenha que existir agressividade. O respeito deve ser sempre presente, para um bom resultado é necessário que seja combinado o respeito com gentileza, motivação com dedicação. Bastando muitas vezes apenas cinco minutos diários para se ter o resultado desejado.

3  Preste SEMPRE atenção no comportamento do seu cão e como este reage aos seus comandos, pois se ele não obedece em sua residência, fora dela, não será diferente. Então, seja firme sem ser agressivo e reforce com carinho ou petisco apenas o quando o cão fizer o que você deseja. Assim, ele logo irá perceber que se lhe obedecer irá ser recompensado.

4  Seja sempre mais teimoso que o seu cão, aprenda a controlar as suas emoções e firmeza em sua postura e voz. Nunca eduque o seu cachorro quando estiver nervoso, com raiva ou impaciente. Não será assim que terá o seu respeito.

5  Procure socializar o cão com o maior numero de pessoas, animais e ambientes que lhe for possível. Quanto maior for essa experiência, mais sociável ele será e menores serão os riscos de acidentes.

6  Quando usar o nome do cachorro, jamais utilize-o junto a castigo ou qualquer tipo de repressão. O nome deve sempre ser associado a motivação ou qualquer tipo de ação positiva, se fizer o oposto, algo que infelizmente é comum, o cão irá hesitar e até mesmo evitar de se aproximar toda vez que você chamá-lo por seu próprio nome.

7  Jamais esqueça de praticar atividade física com o seu cão. Além de ser uma ótima ferramenta na diminuição de ansiedade e manutenção de sua saúde, o exercício também trás benefício para você, que o pratica junto ao cão, reforça os laços nessa relação que deve ser cada vez melhor construída e diminui comportamentos destrutivos.

8  Todos os membros da família devem participar dessa educação. Por que se as ordens e os limites não forem bem definidos, o cão ficará confuso e não saberá como agir. Quando os membros da família agem como uma unidade, não existem incômodos.

9  Seja regular nas idas ao veterinário, respeite a cartilha de vacinação e procure sempre manter o cão saudável. Quando se conhece o cão, o menor desvio de comportamento é sinal de que algo está errado e muitas vezes isso é causado por dores ou doenças.

10  Ao educar o cão, sempre deve se preocupar com o momento certo de reforçar um comportamento. Um reforço mal feito, é capaz de desfazer todo um bom trabalho. Só dê atenção quando o cachorro faz algo que você realmente deseje. Um bom exemplo seria: ao chegar em casa e o cão pula em você, em vez de procurar afastá-lo, simplesmente o ignore e só dê atenção quando ele se acalmar. Desta forma, o cão aprenderá que só irá receber atenção se ele se manter calmo e tranqüilo.
Você pode dar carinho e atenção, mas nunca esqueça que deve ser em momento adequado e jamais deve agir por impulso. Ao educar um cão recém-chegado, estará evitando um problema amanhã. O que nós desejamos é que essa relação seja a mais duradoura e agradável que lhe for possível.

Latidos como controlar?

  Vamos trabalhar o jeito mais fácil de livrar nossos ouvidos de latidos excessivos, é preciso ressaltar que esse exercício é uma maneira simplificada embora utilize duas pessoas, pode não resolver problema mais complicados:

Os cachorros são reforçados quando alguém toca a campainha ou interfone, pois eles sabem que uma visita está chegando. Alguém novo chegando em casa é sempre uma novidade e por isso eles ficam agitados e latem. Outros latem por sentir seu território ameaçado pela chegada de estranhos.

Vamos criar uma situação de treinamento para ensinar seu cão. Esse é o momento que em que você pode controlar melhor a situação do que quando chega uma visita inesperada, de fato. Talvez você tenha que prender seu cão na coleira se ele for do tipo que fica muito agitado, apenas para manter o controle. O objetivo deste exercício é tirar a sensibilidade excessiva do seu cachorro para o barulho da porta. Você vai ensiná-lo a associar o barulho da porta com algo diferente, de modo que ele não fique mais agitado quando alguém chega.

A primeira coisa que você vai fazer é pedir para uma pessoa ficar do lado de fora da porta sem que o cão perceba. Peça para ela bater na porta levemente (toc-toc-toc) a cada 10 segundos aproximadamente. Você fica com seu cachorro na sala, do lado de cá da porta, e quando a pessoa bate você dá um petisco ao seu cachorro. No início é provável que ele comece a latir e pode parecer que você está reforçando o latido, mas nesse momento não importa.
Você estará ensinando através de associação que, quando alguém bate na porta, ele recebe algo bom de você. A segunda coisa que ele vai aprender é que não há mais aquele evento automático de alguém chegar toda vez que há batidas na porta.

Você quer que ele preste atenção em você quando alguém bater na porta ao invés de ficar agitado e começar a latir.

Mantenha uns petiscos perto da porta, assim toda vez que alguém chegar de verdade, você pode desviar a atenção dele pra você. Agora, toda vez que você deixar ele latir agitadamente, estará dando um passo para trás.

O exercício é assim:

1) A pessoa bate na porta de leve. Imediatamente dê o petisco ao cachorro. Ele vai querer prestar atenção na porta e você quer desviar sua atenção para você.

2) Dez segundos depois: outra batida e você dá mais um petisco. Repita a cada 10 segundos. Se você precisar de mais tempo entre as batidas para ele se acalmar ajuste com a pessoa do lado de fora para 15, 20 ou 30 segundos. Mas nunca deixe ela entrar nem fazer nenhum outro barulho.

3) Repita 20 vezes. O resultado que você quer é que o cão escute a porta e olhe para você para ganhar o petisco, e não se interesse pela porta. Quando ele estiver prestando atenção em você (e não na porta), comece a aumentar o intervalo para dar o petisco. Espere dois segundos depois da batida para dar o petisco, depois quatro segundos, e vá aumentado lentamente. Você está ensinando que ficar prestando atenção em você é o que lhe dá o petisco.

4) Repita mais 20 vezes algumas horas mais tarde.

5) Quando ele estiver reagindo bem à batida na porta, olhando para você e esperando o petisco, peça para a pessoa tocar a campainha, ao invés de bater na porta. Assim você está dificultando o exercício.

O mesmo exercício funciona para o interfone ou o telefone. Com um pouco da paciência ele vai perder este impulso de latir e ficar agitado com uma batida na porta ou a campainha.

Um forte abraço.

​  Segundo especialistas a nutrição canina precisa cumprir quatro fatores, sua ração preenche esses requisitos?

1. Desenvolvimento e manutenção do organismo: Os aminoácidos, minerais, oligoelementos (elementos traços), vitaminas e ácidos graxos correspondem às necessidades nutricionais básicas para a manutenção e desenvolvimento do corpo.
2. Fornecimento de energia: Os lipídios e carboidratos são as principais fontes de energia para os cães. Os gatos também dependem das proteínas para seu metabolismo energético.
3. Nutrição e prevenção: Alguns nutrientes são incorporados ao alimento (antioxidantes, pre-bióticos, fibras, ácidos graxos essenciais, etc), para evitar riscos, como as doenças renais, problemas digestivos e os efeitos do envelhecimento.
4. Nutrição e cuidado: Alguns nutrientes são adicionados e outros limitados a fim de sustentar o processo terapêutico ou de convalescença, ajudando os animais a se recuperarem de uma série de doenças.

  Adotar uma abordagem nutricional significa combinar, em um único alimento, a quantidade correta de cerca de cinquenta nutrientes necessários para satisfazer os quatro objetivos nutricionais propostos e atender as  reais necessidades, de forma concreta e precisa, de cada órgão.





Fonte: http://www.royalcanin.com.br/nutricao-saude/objetivos-da-nutric-a-o-sau-de/objetivos-da-nutricao-saude

O que eles não podem comer. Importante!

​- Chocolate

- Ossos cozidos

(com exceção do pescoço de frango leve a moderadamente cozido)
- Cebola e alimentos preparados com cebola

(mesmo em pequenas quantidades, o n propil dussulfito das cebolas pode provocar um tipo grave de anemia nos pets.)
- Batatas, inhame, mandioquinha, cará

(apresentam solamina, uma toxina que pode deprimir o sistema nervoso central e provocar distúrbios gastrointestinais.)
- Abacate

(contém persina, uma substância que pode causar desarranjos gastrointestinais.)
- Linhaça crua

(contém ácido erúcico, que pode intoxicar os pets.)
- Açúcar e alimentos açucarados

(podem levar os pets à obesidade, a ter cáries e a apresentar diabetes.)
- Frituras
- Alho

(o alho é um santo remédio, mas em excesso causar anemia nos pets. Não ofereça mais do que uma fina lâminazinha (cerca de 1/6 ou 1/7) de um dente de alho cru por dia.)
- Macadâmias

(uma toxina pode causar até paralisia muscular nos cães.)
- Chá preto
- Café
- Bebidas alcólicas
- Batata germinada
- Brotos de batata
- Pimenta
- Uva e uva passa

(muitos cães adoram uvas e passas, mas elas possuem uma toxina não identificada que pode provocar sérios danos renais aos cães.)
- Carambola
- Adoçantes
- Refrigerantes
- Folhas e caules de tomate
- Folhas de abacate
- Folhas e caules de batata
- Ruibarbo
- Folha de berinjela
- Folha de beterraba

- Sementes de frutas

(podem liberar cianeto no estômago, como no caso das sementes de maçã).





Fonte: http://www.cachorroverde.com.br/index.php/alimentos-medicamentos-e-plantas-toxicas/

Olá Pet Lovers,

  Esta pagina é uma pequena contribuição a nossos queridos amigos pelos cuidados, e carinho que nos provam todos os dias. Estamos preparando essa página com muita dedicação para salientar algumas dúvidas gerais e ajudar a compreensão do seu amigão.

Saúde Mental

Alimentação Saudavel